27/11/2014

Cante alentejano - Património imaterial da humanidade!

     A UNESCO reconheceu hoje o cante alentejano como património imaterial da humanidade! Noticia excelente que enche de orgulho nao so os alentejanos como os portugueses em geral. Muitos parabéns e aqui fica alguns vídeos em forma de homenagem:






12/11/2014

Menino sírio salva menina de tiroteio num video falso!



         A cena passa-se aparentemente na Síria e mostra um miúdo a salvar uma miúda de um tiroteio. Mas aquilo que parece ser uma cena de heroísmo nao é mais do que uma cena de ficção filmada em Malta como se pode comprovar nesta noticia "Síria: a verdadeira guerra de um video falso." Tal como milhares de pessoas também acreditei que o video fosse verdadeiro embora também desconfiei na parte em que as duas crianças fogem dos tiros. Tendo em conta que em determinado momento abrandam, se bem que por poucos segundos, é estranho que snipers experimentados nao as tenham atingido. Seja como for é mais uma prova da falta de escrúpulos que invade a internet onde tudo serve para dar a conhecer o nome (neste caso da pessoa que fez o video) na internet mesmo que para isso se faça proveito do sofrimento em que vivem as crianças sírias. E depois o autor do video diz que é para chamar a atenção desse sofrimento. Exemplo de hipocrisia que abunda na internet com mentiras e manipulação de imagens. Usam-se meios imorais para supostamente fazer o bem e so nao apago este artigo porque as crianças merecem mais respeito porque é um dos conflitos mais mortíferos para elas de que ha memória! De acordo com o Oxford Research Group instalado em Londres mais de 11000 crianças ja morreram desde o inicio do conflito em 2011, 389 com idade inferior a 17 foram assassinadas por snipers e 100 foram torturadas*. Números absurdos que sao a maior prova do absurdo da guerra!



Relatório completo (em inglês)
* Texto editado a 16/11/2014

11/11/2014

Um caso de apedrejamento do EI ou a alienação do radicalismo!

         Reflecti muito antes de partilhar este video por causa da violência das imagens e porque também já toda a gente sabe da violência do Estado islâmico mas decidi por fazer-lo por uma razao que explicarei mais tarde. Primeiro direi uma palavra sobre o video. Neste uma jovem rapariga é condenada ao apedrejamento por crime de adultério. Trata-se do primeiro acto conhecido do género feito pelo EI. A certa altura os membros deste movimento perguntam ao pai da rapariga se a perdoa mas ele recusa e diz mesmo que ela nao é mais sua filha. Depois de muita insistência desta e dos próprios membros do EI ele acaba por perdoa-la, o que nao impede a prossecução do castigo. Castigo no qual o proprio pai acaba por participar.
         O que mais me chamou a atenção neste video, além claro da falta de humanismo e elevada intransigência do pai e do radicalismo dos membros do EI, e razão principal pela qual partilho-o foi o tom aparentemente normal com que os membros do EI falam de tal acto bárbaro como se fosse a coisa mais normal do mundo. Compreende-se o desespero da jovem mulher notado na sua voz mas é impossível compreender e aceitar a cegueira do próprio pai e o comportamento incrivelmente próximo do normal dos membros do EI. Repare-se como o homem que fala mais tempo do grupo emprega um tom quase simpático como se estivesse ali nao porque gostasse mas apenas porque é a lei e tem de ser cumprida. Repare-se como parece mesmo que esta a tentar consolar a jovem mulher e a tentar convencer o pai a perdoa-la para que ela possa entrar no paraíso. Isto depois da justiça criminosa imposta por ele mesmo e seus colegas de movimento. Penso que é um excelente exemplo de alienação extremista pois acham o apedrejamento tao normal que já nao conseguem distinguir o que é humano do que é totalmente ilógico!
         No final e como digo sempre, nao misturemos este radicalismo inumano e rastilho do absurdo com o a maioria do geral pensamento dos muçulmanos!

Para ver o video visite a ligaçao: http://m.clarionproject.org/news/video-islamic-state-stones-young-woman-accused-adultery (em inglês)

09/11/2014

Numa idade de sonhar vi a realidade da queda do muro!



Eu junto a um pedaço do muro de Berlim instalado em Bruxelas. BrunoⒸ2012

     

          Tinha eu treze anos na altura. Treze anos é idade de sonhar e sonhar foi de certeza o exercício de muita gente nesse ano magico de 1989. Ano que era a sequência de um processo iniciado alguns anos mais cedo e que iria levar a um final nao previsto por muita gente incluindo o seu próprio responsável. E naquele dia 9 de Novembro de 1989 a queda do muro de Berlim ficaria como o símbolo máximo desse final ao qual Fukuyama chamou o fim da historia. Data para sempre simbólica e por coincidência próxima de outra data feliz, o final da I guerra mundial no 11 de novembro de 1918. Eu tinha treze anos mas lembro-me de acompanhar todas as noticias que via sobre as revoluções no bloco de leste e o fim da guerra fria e ainda a infelizmente falhada revolução de Tiannamen. Sabia que estava a assistir algo único, que estava a ser testemunha da historia graças à televisão que de facto aproximava o mundo. Aquilo era o fim de uma era, o fim de uma utopia irrealista que acabara por ser uma ditadura onde ironicamente a divisão em classes estava mais do que presente. Penso que em toda a minha ainda curta vida o único acontecimento que vi com uma influência perene na historia foi os atentados do 11 de setembro de 2001. Acontecimento que veio de certa forma criar uma nova versão da historia mundial, voltando ao belicismo depois de um período de apaziguamento e paz. Mas voltando a 1989, passados 25 anos da queda do muro, o mundo mudou. Teria mudado na mesma, mesmo que o muro nao tivesse caído mas teria ficado, no essencial, igual com a antagónica divisão do mundo em dois blocos. Mas felizmente mudou e o fim da guerra fria trouxe o fim de vários conflitos regionais no mundo como por exemplo a guerra em Angola, trouxe o fim do apartheid na Africa do Sul ou ainda um dos melhores períodos do processo de paz israelo-palestiniano com Arafat e Rabin. Parecia que o mundo ia entrar no caminho certo mas isso é esquecer a pior parte da natureza humana. A parte que incentiva ao conflito, ao extremismo e o mundo actual em alguns aspectos parece pior do que em 1989. A arrogância norte-americana que depois do fim da URSS achou-se como única superpotência no mundo e por conseguinte incapaz de ser derrotada, o renascimento do nacionalismo militar do tempo da URSS aliado a um fascismo que substitui o comunismo na Russia, o advento do terrorismo religioso islâmico de caracter extremista e completamente diferente do terrorismo político árabe do passado e o aparecimento da China e dos novos países industrializados como o Brasil ou a Índia como países a ter em conta num xadrez internacional cada vez mais complexo sao alguns exemplos de um mundo que encontrou a liberdade em 1989 mas que enfrenta agora problemas mais complexos. E isto sem falar nos problemas ambientais que alguns teimam em nao reconhecer como uma urgência.
       Mas entretanto e porque a data é de festa vou continuar a sonhar e esperar que essa festa se prolongue com a queda de outros muros que continuam erguidos para impedir a paz, a harmonia e a união. E tenho a certeza de que quando isso acontecer serei mais uma vez testemunha televisiva!

Jerusalem attacked by the car of violence! Until when?

           This last monday a palestinian man killed a israeli in a car attack* injuring at same time more 13 people.  This terrorist act was one more evidence of that extremism that deny all chance of peace in the region and on which some people seems interested in the maintenance of that situation. I'm saying this because is quiet hard to understand the Hamas reaction and even more hard to understand those whom support this Movement. Few time ago this event, Hamas congratulated the man responsible for it and urged more people to repeat it. Some people considerer the Hamas a Movement of resistance against the occupying Israel but how can Hamas be considered such a thing if demands for more assassinations? Is Hamas a heroic resistant group or a extremist terrorist one? Unfortunately for the peace process all seems indicate the second answer.
           Middle East is in one of the most hard times of his history and the reason is the presence of intransigeant leaders that are not very inclined for the dialogue and are more interested in continue with violence and provocation. Of course that in the end the result only can be more violence in a raising scale of revenge that only brings destruction and death. Is really this that Hamas want? Is really this that Israel want?
             More countries are recognizing Palestine has a State or talking as a possibility. I always supported the palestinian State but I ask myself if that recognition includes the Hamas. I hope not because it would mean the victory of war against diplomacy. Meanwhile let's hope that at least one of the parts push to the dialogue and save the peace process. Here I include the Fatah of course.


* "Palestinian kills israeli in Jerusalem car attack"

Mexico - Desaparecidos a camino de una falsa democracia!


         Las leyes de la razón no tienen espacio en un país dominado por la corrupción y la violencia. Las leyes de lo absurdo han muy probablemente asesinado 43 jóvenes que han acreditado en la democracia.   Como se puede llamar democracia a lo México? Como se puede llamarlo un Estado de Derecho? Como se dice a 43 familias que su hijos han sido muertos por un cartel con la ayuda de políticos y de la policía? Es posible confiar en las instituciones gubernativas del país?
         Mientras acreditar poco en un final feliz, gustaría en uno de estos días recibir la noticia de que todos están vivos mas si non restaron como un símbolo triste de vergüenza de la historia mexicana!                                                                                                                                  

Tunisie - Elections législatives ou la négation de l'obscurantisme!

   

     A propos des élections législatives du 26 Octobre dernier, la Tunisie a démontré encore une fois pourquoi est devenu le guide du printemps arabe et jusqu'à maintenant le seule pays ou cet événement n'est pas tombé dans la faillite. Les deux plus importants conclusions qu'on peut sortir de cette élection et qui prouvent le choix vers la modernité de la Tunisie sont la fin du islamisme au pouvoir et la grande participation féminine. Alors que dans des autres pays du monde arabe la situation est chaotique a cause  des violences internes, suite a des révolutions ou guerres qu'étaient sensées ramener la liberté et l'égalité mais qu'à la fin ne  sont que des désillusions; en Tunisie et pour l'instant le procès démocratique se passe d'une façon, si non complètement normale au moins pas si confuse que dans ces mêmes pays. Et une des raisons pourquoi il y a cette différence est le rôle des femmes dans la construction de ce procès. En refusant d'accepter la domination machiste de l'islamisme et prônant pour une défense intransigeante de l'égalité les femmes tunisiennes ont beaucoup contribué pour la démocratie dans leur pays. La victoire du laïcisme et du féminisme sont inséparables une de l'autre parce qu'il ne serait pas possible l'arrivé des femmes a une plus grande égalité si le pouvoir islamique aurait continué au pouvoir et ces deux mouvements sont indissociables d'une Tunisie plus moderne. Et pourtant cette modernité ne signifie pas la fin de la religion, image donc de que c'est possible vivre ensemble et accepter la différence au contraire de ceux plus radicaux religieux qui n'accepte que leur propre vérité. Et pour cette raison la démocratie ce n'est pas encore une victoire acquise. Malgré un chemin devenu un vrai exemple dans tout le monde arabe, ce même chemin a été rempli jusqu'à maintenant par des obstacles de violence  qui montrent qu'il est quand même difficile. Obstacles qui malheureusement continuent toujours d'exister  comme par exemple l'assassinat des soldats tunisiens cette semaine lors d'un attaque radical. Mais pour l'instant la Tunisie peut crier victoire! Victoire d'un peuple contre l'obscurantisme et comme un phare de la raison dans le monde arabe.